É a face principal da moeda que traz a efígie do soberano ou as indicações de maior importância como a data.

É um erro de cunhagem, onde a moeda não fica perfeitamente alinhada com o cunho, sendo somente parcialmente cunhada, ficando uma meia lua de tamanho diverso sem cunhar, se assemelhando a uma aba de um boné, de onde se origina seu nome.

É quando o corte da cédula é feito em local errado, gerando uma cédula deslocada, muitas vezes é encontrado com defeito de impressão também.

É quando a impressão de uma cédula sai com falha, pode ser a falta de uns dos itens, de uma cor, impressão deslocada, numeração ou assinatura em locar errado.

Considerando-se a maneira original de cunhagem da moeda, por erro de cunhagem, as moedas de reverso invertido são onde o reverso será visto de ponta cabeça em relação a sua cunhagem padrão.

Podendo também ser chamado de Eixo Vertical. Se for feita uma rotação através de seu eixo vertical, ambos os lados ficarão voltados de forma correta.

Podendo também ser chamado de Eixo Horizontal. Se for feita uma rotação através de seu eixo horizontal, ambos os lados ficarão voltados de forma correta. Usado normalmente em cunhagens de moedas, embora haja moedas cunhadas originalmente com o reverso medalha, por escolha dos fabricantes da peça.

Variantes do reverso invertido, onde o erro não atingiu 180 graus, podendo ser de vários graus, 30 graus, 75 graus, etc. Nas posições de 90 e 270 graus os reversos são chamados Reverso Horizontal a Direita e Reverso Horizontal a esquerda.

Oxidação que aparece em alguns metais quando expostos ao ar por longos períodos de tempo, alterando em maior ou menor grau sua cor original, variando conforme o metal.

A Face oposta ao anverso onde traz os dados de importância secundária.

Oxidação que ocorre em moedas de cobre, de cor verde, que se forma nos objetos de cobre expostos ao ar e à umidade. Também chamado de azinhavre ou azebre. O verdete, ou acetato de cobre é um sal venenoso, por isso cuidado é sugerido ao lidar com ele.