A limpeza de moedas é um assunto sempre abordado pelos iniciantes, os quais tem umas moedas já um pouco usadas e sujas, que querem ver a peça brilhando como outras mais limpas ou bem conservadas. Isso tanto para ficar mais bonita, quanto aumentar sua classificação de conservação. Normalmente a resposta que se dá nesses casos, é: NUNCA LIMPE UMA MOEDA. E desta opinião compartilham muitos colecionadores experientes.
Normalmente, a sujeira existente numa moeda não causará diferença na sua classificação, e as tentativas de limpeza sempre deixarão sinais do processo, os quais quase sempre a classificarão para baixo.
Mas a limpeza é sempre uma tentação, e alguns a fazem metodicamente, e há alguns casos e situações onde isso pode ocorrer.
A sugestão é, não limpe sua moeda! Ao menos até ter uma opinião de alguém com mais experiência, ou que adquira essa experiência com o tempo. Todo iniciante que limpa suas moedas, costuma se arrepender à medida que ganha experiência, pois mesmo que faça uma boa limpeza isso pode não a valorizar, já que moedas antigas que adquirem a pátina do tempo, que é a oxidação do metal com o passar dos anos e são mais valorizadas que moedas limpas e brilhantes, pois um colecionador sabe que moedas antigas não terão esse brilho sem uma intervenção, e sua pátina é uma prova que a peça não foi limpa.
Mas há casos que uma limpeza é aceita. Em moedas sujas de terra se permite uma lavagem com água e sabão, sendo muito bem secas após o processo. Nesse caso intuito não é alterar o estado de moeda, mas retirar material que não faz parte da moeda.
Em moedas de cobre ou suas ligas, existe o chamado verdete, que é uma corrosão do cobre, cuja qual não for estancada, irá destruir a moeda. Neste caso um processo de eliminação do verdete é aconselhado, mas é um processo bem complexo. Não iremos abordar nenhum destes processos, não é a intenção desta dica.
Mas uma coisa que não se faz com uma moeda é utilizar palha de aço, pasta de dente ou detergentes tipo sapólio. Estes produtos limpam por abrasão, causando riscos na peça, certamente deixando suas marcas.
Claro, a moeda pertence ao seu dono, e ele decide o que irá fazer com ela, mas uma limpeza apenas pelo brilho é temporária, e o tempo irá voltar a cobrar seu preço, provavelmente voltando a sua condição original, mas com marcas de sua limpeza a mais.
Caso a moeda seja comum, sem grande valor monetário e com o intuito de exposição apenas, onde o importante é sua visualização, limpezas são usadas para deixar a peça com características de exposição, mas lembre, seu valor de coleção irá cair.
Cuidar bem das suas moedas é responsabilidade do colecionador. Muitas moedas têm às vezes idades maiores que seus colecionadores, algumas com centenas ou milhares de anos, e que passaram por incontáveis mãos, algumas destas mãos as tiveram por períodos curtos, fugazes, outras mãos as seguraram por grande parte de suas vidas, por isso costumamos dizer que não somos os donos das moedas, mas meros guardiões temporários, até que elas passem para o próximo guardião nesta linha do tempo.
Para quem realmente tem paixão por suas moedas e as histórias que elas contam e nos ensinam, guardá-las é uma grande responsabilidade.

A limpeza de cédulas pode ser feito em alguns casos bem restritos, mas já o de cédulas é um caso que não deve ser abordado. Limpeza de cédulas irá sempre causar danos as cédulas. Alguns tentam passar a ferro as dobras, limpar com algo mas estes processos serão reconhecidos por um colecionador mais experiente, e sem dúvida irá afetar o valor de coleção da mesma, por isso limpeza de cédulas é extremamente não recomendado.